segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Microrrhinum minus (Plantaginaceae), uma Campanula (Campanulaceae) e uma borboleta (Lepidoptera)





















Como o nome do post indica, trazemos hoje mais algumas beldades, animais e vegetais:
Microrrhinum minus (L.) Fourr. in Ann. Soc. Linn. Lyon 17: 127. 1869
= Antirrhinum minus L., Sp. Pl.: 617. 1753
= Chaenorhinum minus (L.) Lange in Willk. & Lange, Prodr. Fl. Hispan. 2: 577. 1870
= Linaria minor (L.) Desf., Fl. Atlant. 2: 46. 1798
uma bela e subtil planta anual, pertencente à tribo Antirrhineae das antigas Escrofulariáceas, que se encontra distribuída por quase toda a Europa e Região Mediterrrânica (http://euromed.luomus.fi/euromed_map.php?taxon=310672&size=medium; (Marhold, K. (2011): Scrophulariaceae. – In: Euro+Med Plantbase - the information resource for Euro-Mediterranean plant diversity),

uma Campanula (Campanulaceae) alpina, que não nos atrevemos a nomear, na companhia de um Galium (Rubiaceae),

e uma borboleta (Lepidoptera), com e sem flash, para alguma alma generosa identificar!

Propomos ainda uma breve viagem até Montreal, June 17, 2011, para ouvir o excelente Brian Wilson:
Brian Wilson live In Montreal June 17, 2011 - YouTube

6 comentários:

  1. Duas curiosidades:
    Microrrhinum minus pode surgir como planta ferroviária, como se pode verificar pela primeira foto!
    Ainda não tinha sido citada nenhuma Rubiácea aqui neste blog, aparentemente!
    ZG

    ResponderEliminar
  2. Já vi uma planta parecida, a Campanula alpestris, mas não estou seguro que seja a tua planta.

    ResponderEliminar
  3. Já agora, onde fotografaste as tuas plantas? É importante que o digas. Fotos de plantas não faltam na net, rareia sim informação útil sobre a sua ecologia e corologia.

    ResponderEliminar
  4. Olá Carlos, obrigado pelos comentários!
    As fotos de plantas são alpinas (Monte calcário Schneeberg e seus arredores: Estação ferroviária de Puchberg, pr. Viena), exceptuando as duas centrais de M. ou Ch. minus, com solo castanho, que são alentejanas, entre Fronteira e Sousel.
    Quanto à borboleta nocturna, é bem portuguesa.
    Abraço,
    ZG

    ResponderEliminar
  5. Olá.
    Tenho só dois pequenos comentários:
    1) para um olho tão mal treinado como o meu(e que sem memória ocular autónoma,aqui sentado,só pela memória geral que ainda vou tendo do que fui fotografando),fotografei uma parecida,em Sanábria,mesmo em Puebla, tendo na ocasião, na ânsia de a catalalogar, dado-lhe o nome como C. medium; mas certamente era uma híbrida já que estava mesmo no centro da vila.
    2) Quanto à Borboleta é: NOCTUIDAE(Catocalinae) Dysgonia algira (The Passenger);uma muito bela borboleta (nocturna) e julgo que bastante comum.
    Obrigado pelo que me vão mostrando.
    Carlos Silva

    ResponderEliminar
  6. Olá!
    Nós é que agradecemos os comentários sempre proveitosos e enriquecedores!!
    Um abraço,
    ZG

    ResponderEliminar