terça-feira, 2 de julho de 2019

Centaurea melitensis L. (Compositae)


Acho que ainda aqui não tínhamos postado esta beldade espinhosa de flores amarelas: Centaurea melitensis L. (Compositae = Asteraceae), fotografada em Coimbra em floração em 17.V.2019.
Trata-se de um endemismo da Região Mediterrânica (http://euromed.luomus.fi/euromed_map.php?taxon=404965&size=medium) e uma planta anual bastante comum em Portugal, em diversos tipos de substratos (https://flora-on.pt/#/1centaurea+melitensis).

terça-feira, 4 de junho de 2019

Andropogon distachyos L. (Gramineae)



Andropogon distachyos L. (Gramineae = Poaceae) é um endemismo da Regiões Mediterrânica e Macaronésica (http://euromed.luomus.fi/euromed_map.php?taxon=442819&size=medium), que tivemos a oportunidade de fotografar recentemente (25.V.2019) em pleno CW. calc., no concelho de Condeixa-a-Nova, pr. Zambujal, 29TNE43, alt. ca. 240 m. A sua presença em Portugal não tem sido muito notada, mas já é conhecido entre nós há cerca de 20 anos, pois consta da tese de doutoramento da Prof.ª Maria do Carmo Lopes, sobre A Flora e Vegetação das Terras de Sicó (2001), -de onde provém o afamado Queijo do Rabaçal-, assim como do trabalho fitossociológico "Vascular plant communities in Portugal", de J. C. Costa & al. (Dec. 2012), que nos indica que a planta se encontra em comunidades da aliança Hyparrhenion sinaicae, tal como pudemos confirmar in loco.
Trata-se de uma planta muito rara em Lu, como se pode verificar na excelente Flora On (https://flora-on.pt/#/1androp).
Agradecemos ao ilustre colector botânico Sr A. C. Matos ter-nos mostrado esta belíssima planta, entre diversas outras. 

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Scrophularia bourgaeana Lange

Passei pela serra de Arga para ver como estava uma das plantas que mais deleite me deu na sua descoberta. Estamos a falar de uma planta que eu próprio disse não existir aquando das primeiras reuniões do projecto do Livro Vermelho da Flora Vascular de Portugal. Afinal esta espécie não era um mito. Imagino a coragem que a grande botânica Ana Ortega Olivencia reuniu, para na sua tese de doutoramento, afirmar que esta planta existia no Minho, a quilómetros de distância do seu centro de distribuição nas serras de Bejar e Gredos. Como é que uma planta que crescia em linhas de água rochosas a mais de 2000 metros de altitude, poderia ter um habitat na zona do Minho? Mas a verdade é que a presença humana pode ser essencial para algumas espécies, quer seja para um urso, quer seja para um musgo. A domesticação das nossas linhas de água, quer sejam rios ou ribeiros, é tão antiga como a presença do Homem. Ninguém quer ser roubado na sua propriedade, e os rios e ribeiros podiam correr por outro lado, depois de uma tempestade mais violenta, ou pela queda de uma árvore. Agradeço ao Carlos Aguiar ter-me contado esta história da gestão dos amieiros. E os minhotos enrocaram os seus rios e ribeiros de forma fervorosa. Enrocar significa colocar pedras na margem para estabilizar as margens. E em alguns ribeiros da serra de Arga, para além de enrocadas, as margens não tinham qualquer árvore típica de ambientes ripícolas. Estamos a falar de um biótopo completamente artificializado, que apesar disso, era perfeito para esta espécie. As limpezas frequentes das margens ainda ajudavam mais a planta a sobreviver. O mundo mudou. Já ninguém limpa com uma sachola a margem de uma ribeira. Usar herbicida tornou-se habitual na gestão da vegetação infestante. E apesar de achar que o herbicida pode ser perigoso para a presença da espécie, tal como diz o meu ilustre colega Paulo Araújo aqui, a falta de gestão será a sua certidão de óbito. Esta planta chegou aqui não sei como. Sobreviveu não sei como. Não sei dizer qual será o seu futuro neste local, e o meus conhecimentos de ecologia dizem-me que é imprevisível. A única coisa que posso dizer é que fazer conservação é difícil...

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Oenothera stricta Link (Onagraceae)


Oenothera stricta Link fotografada em Coimbra, 20.IV.2019, ao sol, e foto nocturna de 1.V.2019, 23h45 (Onagraceae), uma bela planta exótica, originária do Chile (https://es.wikipedia.org/wiki/Oenothera_stricta), actualmente naturalizada em Portugal, sobretudo em locais arenosos, assim como em diversos outros países europeus e norte-africanos (http://euromed.luomus.fi/euromed_map.php?taxon=440815&size=medium).

terça-feira, 2 de abril de 2019

Misopates calycinum Rothmaler (Plantaginaceae)


Acho que ainda aqui não postáramos esta beldade: Misopates calycinum Rothmaler (Plantaginaceae), um endemismo da Regiões Euro-Mediterrânica e Macaronésica (http://ww2.bgbm.org/EuroPlusMed/PTaxonDetail.asp?NameCache=Misopates%20calycinum&PTRefFk=7200000).
Fotografámo-la em Coimbra, na Primavera, possivelmente há mais de 20 anos.

sábado, 2 de março de 2019

Calendula arvensis L. (Compositae = Asteraceae)


Penso que ainda aqui não tínhamos postado a Calendula arvensis L. (Compositae = Asteraceae), uma planta ruderal muito comum em Portugal (https://flora-on.pt/#/1Calendula+arvensis).
Fotografámo-la em floração em Coimbra, em 13.II.2019.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Chamaerops humilis Linnaeus (Palmae)


Chamaerops humilis Linnaeus (Palmae = Arecaceae), fotografada nos solos vermelhos de Loulé, Amendoeira, em pleno Barrocal algarvio, em IV.2002.